Gênesis 13:8-11 – A esperteza de Ló e o caráter de Abraão na divisão!


Gênesis 13:8-11 - A esperteza de Ló e o caráter de Abraão na divisão!

O clima entre os dois grupos estava tenso, a separação era eminente. Com isso veremos a esperteza de Ló em sua escolha e a fé de Abraão como resposta

V-8,9.
Sem dúvida, o problema que causou a separação entre Abrão e Ló há muito era evidente. Imagino que Abrão tenha discutido diversas vezes o assunto com Sara, sua esposa.

O texto não diz nada sobre isso, mas desconfio que ela deva ter dito a ele as mesmas palavras que incontáveis esposas guardam para uma ocasião como esta: “Eu não falei?” “Bem que eu lhe avisei!”.

Geralmente, o curso inevitável de alguns acontecimentos são óbvios para o nosso cônjuge, muito antes de estarmos dispostos a aceitar a realidade dos fatos.

É bem possível que Sara tenha apresentado uma solução totalmente diferente da encontrada por Abrão quando saiam de Ur. Talvez ela tenha dito: “Diga pra Ló ficar” ou “Abrão, Deus não chamou Ló para ir a Canaã, só você”. “Diga a ele que não pode ir coma gente”. 

Tudo isto é mera conjectura da minha parte, mas qualquer estudante da natureza humana teria de concordar que, pelo menos, é uma possibilidade viável.

A fé na decisão de Abraão

A solução encontrada por Abrão não poderia ser mais graciosa ou piedosa. Sua motivação parece ter sido baseada na ética, não na economia. Ansioso por evitar discórdia e inimizade entre ele e seu sobrinho, Abraão demonstrou ser homem de paz e propôs a separação de seus rebanhos e manadas como uma solução para a dificuldade.

_ Nós somos irmãos, e não é bom que a gente fique brigando, nem que os meus empregados briguem com os seus.  Visto que Abrão era o mais velho, e Deus deu toda a terra a Abrão (não a Ló), foi pura generosidade da parte de Abrão que o levou a fazer essa oferta a Ló.

_ Ló, veja toda a terra diante de ti, lhe dou o direito de escolher. Se você escolher ir para a esquerda, irei para a direita; e se escolher ir para a direita, eu irei para a esquerda.

Ainda que Abraão fosse o maior dos dois, não se aproveitou de sua maior idade e posição para fazer exigências em seu favor.

Aparentemente, era óbvio que eles precisavam se separar. O único problema era: quem devia ir embora, e para onde? Abrão deixou a decisão por conta de Ló. Qualquer que fosse sua escolha, Abrão iria agir em conformidade com ela. A oferta dava vantagem a Ló e deixava Abrão vulnerável.

A confiança de Abraão

Ele não cedeu a Ló por fraqueza, mas por amor e confiança em Deus. Alguns acres de pastagem não pareciam valer a pena lutar por um homem que vivia com uma perspectiva eterna. Ao referir-se a si mesmo e a Ló como “irmãos” queria assegurar a seu sobrinho uma condição de igualdade ao permitir-lhe que tomasse tanta terra como quisesse.

Abrão cumpriu o princípio do amor no Novo Testamento: cada um de vocês cuide não apenas dos seus próprios interesses, mas também dos interesses dos outros( Filipenses 2:4).

Abrão sabia que podia confiar em Deus. Ele fez isso porque aprendeu que Deus supriria suas necessidades e não precisava se preocupar em ser generoso demais. Abrão sabia que o que Ló escolheu Deus garantiria que Abrão prosperasse.

Acima de tudo, Abrão queria manter a paz e resolver o conflito que havia se estabelecido entre eles. A coisa mais importante era preservar a união fraterna.

Por mais estranho que pareça, embora a separação fosse mais prática, a união devia ser preservada por meio dela. Um deles precisava partir, ou Abrão ou Ló.  

A esperteza de Ló

V-10
Quando Abrão fez a oferta a Ló, parece que os dois estavam em um lugar alto, de onde podiam avistar toda a terra ao seu redor. A decisão de Ló foi friamente calculada. Com olhos de um avaliador, ele examinou a terra, pesando as vantagens e desvantagens.

Sendo menos nobre do que seu tio, Ló imediatamente aproveitou a oferta. Olhou em volta e viu que o vale do Jordão, até chegar à cidade de Zoar, tinha bastante água.

A campina do Jordão era literalmente um paraíso. Era exatamente como “o jardim do Senhor”. E também parecia ser abastecida por irrigação, não por chuva. Era, ainda, como a terra do Egito. Não era preciso viver pela fé num lugar como esse, pois a água era abundante, não era preciso esperar em Deus pela chuva.

Ló fez sua escolha puramente com base no que podia ver com os olhos. A esperteza de Ló o levava a se importar apenas com a abundância material da terra, e não se importava com o impacto que ele teria sobre ele e sua família espiritualmente.

Tanto quanto qualquer coisa, fé significa que não andamos pelo que vemos, mas pelo que sabemos ser verdadeiro em Deus: porque andamos pela fé, não pela vista(2 Coríntios 5:7). Abrão andou pela fé; Ló andava apenas baseado no que via.

O destino de Ló foi trassado

Próximas dali ficavam as pecaminosas cidades de Sodoma e Gomorra, antes de serem destruídas pelo juízo divino (Gn 18,19). Os primeiros leitores ficariam perplexos ao saber da quantidade abundante de água que a região outrora desfrutou.

Era como o jardim do Senhor. Esta exuberante comparação relembra as condições do Éden (Gn 2.10).

Neste versículo pela primeira vez é associada a figura de Ló com Sodoma.

Essa região, era um território habitado pelo pior grupo de cananeus, pessoas perversas e infames. Ao resto da população de Canaã foram dados 400 anos até que sua idolatria e maldade demandassem julgamento (Gn 15.16). A Sodoma e a Gomorra, não.

A separação

V-11
Envolvido pela beleza e fertilidade da região e sem ter em conta outras considerações, Ló elegeu o vale do Jordão como sua futura morada.

Impelido pelo egoísmo e guiado somente por suas próprias inclinações e a perspectiva de vantagens temporais, Ló tomou a decisão fatídica de sua vida.

Ele parece, apesar de bom homem, estar sob a influência de um espírito egoísta e cobiçoso: e quantos, infelizmente! pôr em perigo o bem de suas almas para a perspectiva de vantagem mundana.

Essa decisão o levou através de uma série de experiências desafortunadas que puseram em perigo sua vida, sua alma e sua família.

Deixando a Abram em Betel, Ló e sua família partiram rumo ao este, bem próximo de Sodoma.

Não foi a escolha de Ló que desviou seu coração. Seu coração já estava perdido, e isso foi demonstrado por sua escolha.

Assim Abraão deixou definitivamente uma parte de sua parentela, como Deus lhe ordenara que abandonasse em primeiro lugar.

Abraão aparece sob uma luz mais favorável neste episódio, onde magnanimemente ofereceu a seu sobrinho a escolha dos locais e depois a honrou.

Certamente, Deus cuidou para que Abraão não perdesse nada por seu ato generoso. “Deus o recompensou com uma nova garantia de que a terra de Canaã certamente seria dele.

Em Cristo;


Número de visualizações do artigo: 46

Anterior: