Gênesis 16:1-3 – Abrão imita Adão e aceita o fruto proibido!


Abrão imita Adão

O modus operandi de Deus

Abrão imita Adão, desobedecendo a Deus e aceitando o fruto proibido que sua esposa o oferece. Esse é o estudo Bíblico e comentário de Gênesis 16:1-3, que você acompanha a partir de agora.

O povo de Deus pode ser em muitos aspectos um tipo muito estranho. Acabamos de estudar o grande exemplo de fé de Abraão nos capítulos 14 e 15. Entretanto, agora em Gênesis16, ele age contrário a sua fé.

O fato dos Cristãos estarem sujeitos a influências de diferentes forças, explica estas inconsistências. Por isso, precisamos estar sempre vigilantes.

V-1.
Apesar de todas as promessas que Deus havia feito a Abrão, passados dez anos ainda persistia o fato de que não tinha um filho. Deus muitas vezes espera para agir até que Seus planos se tornem humanamente impossíveis de serem realizados. Esse é, e sempre será seu modus operandi. Abrão tinha oitenta e cinco anos e não tinha tido filhos e Sarai havia passado da idade de poder engravidar.

Qual a esperança que eles poderiam ter de terem um filho? A resposta é claro, deveria ser que a promessa de Deus era suficiente para eles. Deus sempre mantém Sua palavra. Todavia, Ele faz isso de maneira que Ele mesmo venha a ser glorificado.

O Seu tempo e métodos são muitas vezes uma prova para a carne. Nós devemos aprender que a fé deve ser acompanhada de paciência para poder aguardar calmamente, para que Deus venha cumprir Sua palavra.

Sarai, imita Eva

V-2,3.
A falta de fé de Sarai, fez que chegasse à conclusão de que não tinha esperança de ter filhos. Por isso decidiu seguir uma prática comum de seu país natal a fim de proporcionar um herdeiro para a família. Sarai disse a Abrão:

_ Já que o SENHOR Deus não me deixa ter filhos, tenha relações com a minha escrava, Agar; talvez assim, por meio dela, eu possa ter filhos.

Provavelmente Agar era a serva pessoal dada a Sarai, quando ela foi levada ao Faraó. Os códigos legais de Mesopotâmia, autorizavam a prática pela qual uma esposa estéril podia dar uma de suas escravas a seu esposo e ter filhos mediante ela. Esses códigos também determinavam precisamente os direitos de uma tal descendência.

Abrão imita Adão

Infelizmente, Abraão concordou com o plano de Sarai, e guardada as devidas proporções, Abrão imita Adão, aceitando a oferta da sua esposa. Nossa fé pode ser genuína, no entanto parece ser débil em momentos de ansiedade.

Sarai poderia justificar isso como uma maneira de cumprir a promessa de Deus: “Abrão, Deus prometeu que você seria o pai de muitas nações e Ele não me mencionou especificamente. Talvez você seja o pai de muitas nações, mas eu não sou a mãe”.

Abraão foi um homem de grande fé e exemplo para todos nós, exceto em três ou quatro breves ocasiões ao longo de sua longa vida. E essa foi uma delas.

Porém, Abrão não compreendia que a demora Deus em lhe dar um herdeiro, tinha a origem divina para provar sua fé e desenvolver seu caráter.

Deus não precisava de Abrão para o cumprimento de sua promessa. Só esperava dele confiança e obediência. Ao aceitar o conselho apressado de Sarai, Abrão seguiu nas pisadas de Adão, quando aceitou da esposa o fruto proibido.

Uma esposa cristã piedosa tem muita sabedoria para o marido, e muitos maridos aprendem o valor de ouvir a sabedoria de suas esposas. No entanto, nenhuma esposa é infalível, e Abrão foi responsável por seu pecado de acatar os conselhos imprudentes e baseados na incredulidade de sua esposa.

Foi um pecado contra o plano de Deus para o casamento: “que um homem e uma mulher se unissem em um relacionamento de uma só carne”.

As consequências

Decepção e sofrimento foram os resultado em ambos os casos e a suposta bênção resultou ser uma maldição. Ao prestar ouvidos à sugestão de Sarai, Abrão imita Adão e cria para si mesmo dificuldades e conseqüências muito alarmantes. Virão sobre ele angústias domésticas, dores e o ódio entre os futuros descendentes de ambas as esposas.

Aliás, ainda hoje esta conseqüência fere amargamente os modernos representantes de Sarai e os descendentes de Agar, os Judeus e os Árabes que lutam pela posse da Terra Santa.

Na próxima postagem, a gravidez de Agar e as primeiras conseqüências da falta de fé.

Em Cristo;

Leia a postagem anterior

A seguir: A poligamia na casa de Abraão

“Se gostou do artigo, compartilhe com seus amigos e deixe um comentário abaixo. Ajude também a divulgar o conteúdo do Blog!”

 


Número de visualizações do artigo: 27