Gênesis 21:13-21 – Agar e Ismael perdidos no deserto


Agar Ismael perdidos deserto

Agar e Ismael ficam perdidos no deserto. Vagaram até que seus suprimentos acabassem e a morte chegasse bem perto de suas vidas. Mas, para o bem do futuro povo Árabe, Deus os socorreu. Veja neste estudo Bíblico de Gênesis 21:13-21.

Agar e Ismael são expulsos

V-14. No dia seguinte, ainda na madrugada, Abraão se levantou e deu para Agar comida e um odre cheio de água. O “odre”, feito de uma pele de cabra, deveria ter água suficiente para que durasse até chegar ao poço seguinte.

Em seguida, colocou algumas das provisões sobre os ombros de Agar e algumas sobre os de Ismael e mandou que fossem embora. Definitivamente, não deve ter sido fácil para Abraão, ter que mandar embora um filho que tanto amava.

Da mesma forma, a natureza generosa de Abraão e seu amor por Ismael, o induziram a proporcionar-lhe uma provisão adequada para a viagem. E assim, Agar foi embora com seu filho, andando sem direção pelo deserto de Berseba.

Abraão era um homem rico e certamente poderia dar-lhes mais suprimentos, até dando-lhes um burro ou vários animais de carga, no entanto, não lhes deu nada. 

Não sabemos o motivo, pois Abraão sempre foi muito generoso. Quem sabe, Deus também lhe orientou dessa forma. Provavelmente, Abraão também percebeu que sem a ajuda de Deus, não importa o que ele lhes desse, nada seria suficiente. Mas com Deus, as coisas acabariam bem. Eles teriam que ficar totalmente dependentes de Deus.

De qualquer forma, a expulsão de um de seus filhos deve ter significado intenso sofrimento para Abraão. Mas, consciente de sua própria responsabilidade pela situação que tinha criado, resignou-se ante a vontade revelada de Deus neste assunto.

A sorte de Agar e Ismael parece dura ao extremo, todavia, eles tinham feito que isso fosse inevitável. Principalmente, por suas condutas em não aceitarem um papel secundário na família.

Com quanta frequência uma conduta mal calculada, significa não só renunciar às bênçãos de que poderíamos desfrutar, senão também ter que suportar sofrimentos inúteis?

Agar e Ismael ficam perdidos

V-15,16. Agar e Ismael andaram por muito tempo vagando pelo deserto debaixo de um sol escaldante de dia e frio intenso a noite. Porém, não demorou muito para a fome e a sede os maltratar.

Provavelmente eles se perderam no deserto, o que explica porque a bíblia diz que “vagaram pelo deserto de Berseba”, deixando acabar seus suprimentos, sem conseguir chegar a algum lugar seguro para reabastecer.

Quando acabou a comida e principalmente a água do odre, ambos já estavam muitos fracos e começaram a delirar. Desesperada e não querendo vê-lo morrer, Agar deixou Ismael debaixo de uma arvorezinha, esperando sua morte em um outro lugar do imenso deserto. A sombra da árvore era o único recurso ao seu alcance para aliviar a dor de seu filho.

Então, chorando muito, abandonou seu filho e caminhou uns cem metros gritando e angustiada:

– Não suporto ver o meu filho morrer.

Enquanto ela chorava, no outro ponto do deserto, o menino, que sofria alucinações, começou também a chorar desesperadamente.

Deus socorre Agar e Ismael no deserto

V-17,18. Porém, não foram os gritos de Agar que chamaram a atenção de Deus, mas os do menino. Como descendente de Abraão, Ismael era o objeto do cuidado especial de Deus. 

Seus gritos trouxeram intervenção divina: Deus ouviu o choro do menino e, lá do céu, enviou um anjo com palavras de ânimo para Agar e em seguida, um remédio para a dor do garoto:

– Por que é que você está preocupada, Agar? Não tenha medo, pois Deus ouviu o choro do menino aí onde ele está. Vamos! Levante o menino e pegue-o pela mão. Eu farei dos seus descendentes uma grande nação.

Abraão amava Ismael e havia orado por ele, por este motivo Deus cuidou da mãe e do menino. Deus mostrou um favor especial a Ismael, porque ele era um descendente de Abraão.

Embora Ismael não fosse o filho a receber a promessa da aliança, Deus não era contra ele. Posteriormente, os descendentes de Ismael se tornariam uma grande nação, o povo árabe.

Uma visão mais clara para Agar

V-19. Então Deus abriu os olhos de Agar e ela viu um poço. Perceba que Agar foi levada ao poço de água que estava perto, um poço que tinha estado ali todo o tempo.

Ou seja, a solução para o problema de Agar já estava presente. Provavelmente, através das lágrimas, ela não podia ver o poço por perto. Assim também, muito provavelmente, o poço não era uma estrutura distinta, mas simplesmente uma pequena fonte de água escondida entre os arbustos. 

Enfim, o poder divino não produziu água clara, senão uma visão clara. Os poços do deserto da Palestina eram fossas artificialmente engrandecidas no terreno, onde se produzia água de vertentes naturais, cujas aberturas estavam ocultadas com pedras para impedir que animais descarrilados caíssem dentro.

Logo, Deus permitiu que ela visse as coisas como realmente eram e assim, mãe e filho foram revigorados.

O trabalho de Deus na vida de Agar pode parecer duro para nós, no entanto, entendo que Sua maneira em tratá-la assim é tal, que Suas promessas foram cumpridas. 

Você se lembra de que Ismael deveria ser como um “burro selvagem”, hostil aos irmãos e um espírito livre? Este tipo de homem não podia ser criado na cidade com todas as suas conveniências e vantagens. 

Portanto, deveria aprender a sobreviver e a prevalecer sobre elementos hostis do deserto, a dificuldade era exatamente o que era necessário para transformar Ismael em tal homem. 

V-20. Então o tempo passou e protegido por Deus, o menino cresceu e se tornou um homem valente. Ismael ficou morando no deserto de Parã e se transformou num bom atirador de flechas.

V-21. Agar, voltou a visitar sua terra natal para conseguir uma esposa para seu filho e depois morou no deserto de Parã, nordeste da península do Sinai. E assim se deu a origem dos Árabes, que continuam também a viver nesta região até os dias de hoje.

Esse relato extremamente abreviado encerra aqui a história de Ismael, para retornar o mais rápido possível à história de Isaque. Como veremos no próximo estudo. 

Em Cristo;


Número de visualizações do artigo: 57