Gênesis 24:24-32 – A doce Rebeca e o mala de seu irmão chamado Labão!


Gênesis 24:24-32 - A doce Rebeca e o mala de seu irmão chamado Labão!

A doce Rebeca tinha um mala de irmão chamado Labão, que ainda vai criar muita confusão para um futuro filho de Rebeca. Conheça aqui um pouco do caráter desse mala sem alça.

Eliezer descobre de quem Rebeca é filha

V-24,25. Eliezer estava convencido de que a jovem que tinha conhecido de forma tão notável, era a escolhida por Deus para acompanhá-lo de volta a Canaã. Portanto, o próximo passo seria conhecer sua família, então, perguntou a moça de quem ela era filha. Imediatamente, Rebeca respondeu:

– Eu sou filha de Betuel, filho de Milca e de Naor. Na nossa casa há lugar para dormir e também bastante palha e capim para os camelos.

A hospitalidade parece ter sido uma prática comum no lar de Rebeca. Do contrário, não teria sentido ela convidar a um estranho para se hospedar em sua casa.

V-26-28. Então Eliezer se ajoelhou e deu a glória a Deus pelo sucesso de sua missão:

– Bendito seja o SENHOR, o Deus de Abraão, meu patrão! Pois foi fiel e bondoso com ele, guiando-me diretamente até a casa dos seus parentes.

O fiel servo de Abraão era um desses indivíduos felizes que não somente oravam pedindo ajuda más que também expressam publicamente sua gratidão ao recebê-la, assim como Abraão.

O campo missionário de Abraão

Eliezer é um digno exemplo do valor do culto familiar. Perceba que ele disse “O Deus de Abraão”. Isso porque, Abraão nunca tinha considerado sua religião como uma mera posse pessoal, ou jamais teve vergonha de declará-la para seus conhecidos. Pelo contrário, a tinha vivido e ensinado a todos em sua casa, inclusive seus empregados e amigos.

Sua família e até seus empregados acreditavam no Deus verdadeiro e imitavam o exemplo de fiel consagração a Deus por parte de Abraão, assim como fez Eliezer.

As duas orações de Eliezer no poço da cidade de Naor, fazem ressaltar o valor da obra missionária de Abraão em seu lar e ambiente social. Como já vimos em estudos anteriores, Abraão, jamais deixou de proclamar sua fé, seja diante de reis, amigos ou até em lugares desconhecidos.

Para ser um missionário, nã precisamos viajar para um outro país. Nosso primeiro campo missionário é nosso lar, depois, escola, trabalho, amigos, e tantos outros lugares e pessoas das quais temos a oportunidade para declarar nossa fé.

Tendo encontrado a mulher que deveria ser a esposa de Isaque, o servo agora precisava convencer a família de que o filho de Abraão, era o homem certo para Rebeca. 

Por isso, enquanto Eliezer, orava agradecendo a Deus, a moça foi correndo para a casa da sua mãe, contar o que havia acontecido.

É fácil imaginar a excitação de Rebeca. Um dia que provavelmente começou monótono como qualquer outro, acabou sendo um dia notável e que mudou a vida.

A doce Rebeca e o mala de um irmão chamado Labão

V-29,30. Rebeca tinha um irmão chamado Labão. Prestem atenção nesse nome, pois vai ser motivo de muita confusão em um futuro breve.

O pai de Rebeca era Betuel, que ainda estava vivo (Gênesis 24:50). No entanto, parece que o mala do Labão, assumiu a liderança na representação da família. Talvez Labão já fosse conhecido por sua capacidade de fazer um bom acordo a seu favor.

Até agora os personagens da Bíblia eram ou bonzinhos ou malvados, certo?
Creio que Labão é o primeiro a ter um caráter dúbio, o que o torna mais convincente como personagem.

Pois bem, quando Labão viu a irmã com uma argola de ouro no nariz e duas pulseiras enormes, ouviu atentamente toda a história, fez uns cálculos rápidos de cabeça e, foi depressinha ao encontro do servo de Abraão, que estava esperando ao lado do poço.

O caráter defeituoso deste indivíduo será posto em evidência mais tarde em seus acordos com Jacó, mas já se refletem aqui, quando ele ao ver os ricos presentes que sua irmã havia recebido. Por isso, saiu correndo imediatamente para encontrar a Eliezer.

A falsa gentileza do mala Labão

V-31,32. Ágil como um lobo, Labão simpaticamente, disse:

– Meu senhor, como vai? O que o traz até esse fim de mundo? Um homem abençoado por Deus, o SENHOR?

Ainda que fosse idólatra, Labão também conhecia o culto a Deus. Por isso, foi fácil interpretar nesse momento.

– E por que está aqui ainda? Venham comigo, já preparei a casa para recebê-los.

Com isso, o empregado de Abraão foi com ele até a casa. Lá chegando, Labão gentilmente descarregou os camelos, lhes deu palha e capim. Depois trouxe água para que os homens lavassem os pés e mandou trazer a comida.

Puro interesse, claro. Quando trouxeram a comida, Eliezer, no entanto, não queria perder tempo, pois estava ansioso para terminar a sua missão, e então disse:

– Eu não vou comer enquanto não disser o que tenho para dizer.

O servo de Abraão estava concentrado em sua missão e portanto, não se distrairia de seu cumprimento.

Por outro lado, doido de curiosidade, Labão pediu que ele se sentasse…

O resto, é história para nosso próximo estudo.

Em Cristo;


Número de visualizações do artigo: 59