Êxodo 15:22 – A dura realidade do outo lado do mar vermelho.


Êxodo 15:22 - A dura realidade do outo lado do mar vermelho.

A dura realidade do outo lado do mar vermelho.

Fim de culto, todo mundo cansado, os hebreus começaram a se recolher a suas tendas.  

A felicidade era tanta que alguns dormiram mesmo por ali, ao relento. E pode-se imaginar a cena no dia seguinte: Centenas de milhares de homens e mulheres acordando ainda sem acreditar no que havia acontecido.

A sua frente dava para contemplar o agora calmo mar vermelho que no dia anterior furiosamente havia engolido um exercito inteirinho de egípcios. As margens do mar alguns Israelitas recolhiam o espólio dos Egípcios que haviam se afogado.

O sentimento de liberdade até agora nunca experimentado estava estampado no semblante de cada cidadão israelita, o medo do faraó que outrora os assombrava agora já não existia mais, as crianças brincavam e corriam com a liberdade de quem brinca no quintal de casa, o ouro, a prata e as jóias recebidas dos egípcios era tanta que dava pena dos pobres burros de carga que teriam de atravessar sobrecarregados o deserto.

Estava tudo muito bom, tudo muito bem, todo mundo muito feliz, más havia um probleminha básico;

Apesar de os israelitas terem se preparado, para entrar no deserto levando uma provisão de água potável em odres de couro como faziam os povos orientais da época, a provisão de água não duraria por muito tempo.

Rapidamente descobriram que a sua volta não havia nenhuma fonte de água, aliás, a única água que havia era a salgada água do mar vermelho.

Portanto era hora de levantar o acampamento e encontrar outro local para um novo abastecimento. Com essa feliz disposição de espírito Moisés levou o povo de Israel do mar Vermelho para o deserto de Sur.

Esse ajuntamento de milhares de pessoas nunca mais voltaria aquele lugar. A foto abaixo mostra a vista deste lugar, ao nível do mar, para a praia de Nuweiba ao entardecer.

Ao amanhecer os hebreus teriam visto imagem semelhante logo após o afogamento dos egípcios.

Na foto abaixo, você vê onde possivelmente teria sido a festa dos hebreus, pois foi neste local onde foi encontrada uma coluna comemorativa erguida por Salomão. Ao fundo está a praia onde estavam acampados antes da travessia.

Foram encontradas duas colunas em estilo fenício sendo uma na praia do lado egípcio (Nuweiba) e outra do lado árabe.

A primeira encontrada foi no lado egípcio em 1978 onde havia uma inscrição em hebraico destruída pela erosão (a parte inferior estava no mar) praticamente ilegível.

A segunda, em 1984, no lado árabe e idêntica, tem a mesma inscrição em hebraico e legível com as palavras: Egito; Salomão; Edom; morte; faraó; Moisés; e Jeová significando que foi erguida por Salomão, em honra a Jeová, e dedicada ao milagre da travessia do Mar Vermelho por Moisés e a destruição do exército egípcio.

Semanas depois a coluna foi retirada e colocada um marcador-bandeira em seu lugar. Os árabes não apreciam estrangeiros pesquisando em sua terra, principalmente judeus e americanos.

Durante o reinado de Salomão, Israel foi uma potência no Oriente Médio onde obteve o controle marítimo da região (1 Reis 9.26 e II Crônicas 8.17). Há uma referência em Isaías 19.19 que acredita-se ser a coluna do lado egípcio.

Como eu estava dizendo, o povo saiu deste acampamento na procura de água, e foram na direção do deserto de Sur, que compreende toda a área semidesértica que fica entre o Egito e a terra de Canaã.

Enquanto, no Egito, havia água em abundância, ela era escassa no deserto e todo aquele povo e animais precisavam de bastante água. Caminharam aproximadamente 160 km, durante três dias através do deserto seco e árido e não acharam água.  

É uma bela caminhada vocês não acham? 160 km… Na próxima postagem você vai notar a mudança de humor deles, quando o cansaço e a irritação vêm chegando.

Em Cristo;


Número de visualizações do artigo: 50