Levítico 9: 9-24 – A inauguração e consagração do Tabernáculo.


Sem mais demoras Arão ofereceu o bezerro para sua expiação, enquanto seus filhos ajudavam no ritual do sangue.

A inauguração e consagração do Tabernáculo.

V:9-14. Sem mais demoras Arão ofereceu o bezerro para sua expiação, enquanto seus filhos ajudavam no ritual do sangue.

Ele fez tudo conforme o SENHOR havia ordenado a Moisés.

Todo isto foi observado com interesse por Moisés.

Afinal, foi ele quem tinha recebido as comunicações do Senhor e quem tinha instruído a Arão e a seus filhos no que deviam fazer.

Agora observava para se certificar de que tudo aconteceria segundo as instruções de Deus.

V:15-21. Logo depois de ter concluído os sacrifícios feitos em benefício próprio, Arão prosseguiu com o ritual das ofertas do povo.

Esta era a primeira vez que Arão ministrava em favor do povo.

Arão tinha recebido instruções determinadas quanto a esta ministração às seguiu corretamente, exatamente como Moisés o tinha mandado, sem erro.

V:22. Tudo era observado com muito interesse pelos Israelitas.

Eles já tinham visto Arão oferecer os sacrifícios por si mesmo e agora por eles.

Ao finalizar o ritual, Arão estendeu as mãos sobre o povo, e o abençoou, e então desceu os degraus do altar.

Foi um momento solene e feliz, porque Deus tinha aceitado suas oferendas.

V: 23. Em seguida, Moisés e Arão entraram juntos no santuário para ministrar o sangue, enquanto o Povo ainda os aguardava lá fora.

Lá dentro eles devem ter experimentado uma profunda reverencia ao sentir a presença de Deus naquele lugar.

E quando saíram para abençoar o povo por mais uma vez, repentinamente “a glória de Deus apareceu a todo o povo”.

O texto não diz de que maneira precisa ocorreu esta demonstração sobrenatural, mas deve ter sido um testemunho notável da aprovação de Deus pelo Santuário que o povo tinha levantado para ele, e da aceitação de Moisés e Arão como seus servos.

V:24. Para o espanto de todos, também de uma forma inesperada, saiu fogo da presença de Deus e acendeu a oferta que estava no altar.

Ao verem este espetáculo sobrenatural, os israelitas deram gritos de alegria, ajoelharam-se e encostaram o rosto no chão.

Era aquele fogo do qual falamos na postagem o Fogo Divino, lembram?

Deus havia dito a Moisés que este fogo do altar nunca se apagaria, deveria ficar sempre aceso.

Todas as manhãs o sacerdote deveria por lenha no fogo, arrumar em cima a oferta que iria ser completamente queimada.

Os judeus afirmam que este fogo queimou continuamente até o cativeiro babilônico.

Alguns até insinuam que nunca se apagou até a destruição final do templo no ano 70 DC.

Deus tinha aceitado a obra do homem.

O santuário tinha sido inaugurado e consagrado.

Toas às instruções já haviam sido dadas para esse serviço que teria de continuar durante mais de 1.400 anos, para ser então transferido ao santuário celestial.

Em Cristo!


Número de visualizações do artigo: 44