Números 10: 29-36 – Moisés convida Hobabe


Moisés convida Hobabe

Números 10: 29-36
_ Ué! Pra onde este povo todo tá indo?
_ A gente tá indo para um lugar aí que Deus nos prometeu.
_ Hum…
_ E ele prometeu também fazer de Israel uma nação grande e rica.
_ É mesmo?
_ Claro! Venha conosco e lhe trataremos bem, pois o Senhor prometeu boas coisas para Israel.

_ Hum… Não, não irei; Vou voltar lá pra Midiã, que lá eu tenho minha casinha, meu povo, minha vidinha…

_ Por favor, não nos deixe Hobabe. Veja bem, você sabe onde devemos acampar no deserto e pode ser o nosso guia… O que você acha?
Como morador do deserto, Hobabe estava bem familiarizado com sua topografia e seus caminhos e sabia onde procurar água.
Um detalhe me chama atenção aqui…
Moisés sabia que o SENHOR iria conduzi-los pelo deserto?
Sabia!
Portanto não precisava de um “guia”, como seu cunhado, certo?
Estaria ele perdendo a sua fé no SENHOR, garantindo-se com um guia?
Não sabemos…
Infelizmente os cristãos muitas vezes procuram os “especialistas”, pessoas sem qualquer discernimento espiritual, para lhes dar orientação.
Com isto, elas se desviam da verdade e com freqüência passam a ser exploradas por homens sem escrúpulos.
Cristo deve ser o nosso único guia, e é ele quem deve liderá-lo e guiá-lo, mediante o seu Espírito, e a Sua Palavra.
Voltemos a resposta de Hobabe;
¬_ Não sei não…
_ Olha, se vier conosco, partilharemos com você todas as coisas boas que o Senhor nos der.
_ Tá bom. Eu topo!
_ É isso aí, Hobabe! Você não vai se arrepender.
_ Eu espero…
Então eles partiram do monte do Senhor, essa primeira etapa da viagem foi uma caminhada leve de três dias.
A arca da aliança do Senhor foi à frente deles durante aqueles três dias para encontrar um lugar para descansarem.
A nuvem do Senhor estava sobre eles de dia, sempre que partiam de um acampamento.

A partida dos filhos de Israel, em sua marcha para a Terra Santa, foi uma demonstração de fé e esperança.

Sempre que a arca partia, Moisés dizia: “Levanta-te, ó Senhor! Sejam espalhados os teus inimigos e fujam de diante de ti os teus adversários”.
Sempre que a arca parava, ele dizia: “Volta, ó Senhor, para os incontáveis milhares de Israel”.
Sobre Moisés descansava a maior responsabilidade.

Estas eram sua oração matutina na qual pedia uma boa jornada diurna e sua oração vespertina na qual pedia descanso e proteção.

E a viagem transcorreu assim, feliz e harmoniosa.
Pelo menos por um tempo.
Porque quando o povo chegou em Taberá…
Bom, na próxima postagem eu falo de Taberá.
Em Cristo!

A seguir: A primeira reclamação


Número de visualizações do artigo: 8