Josué: 10: 1-12 – A derrota dos cinco reis Amorreus!


Jerusalém, a cidade, que hoje é sagrada para as três grandes religiões monoteístas, sempre foi disputadíssima, e isso desde os tempos de Josué.

A derrota dos cinco reis Amorreus!

Jerusalém, a cidade, que hoje é sagrada para as três grandes religiões monoteístas, sempre foi disputadíssima, e isso desde os tempos de Josué.

Esta é a primeira vez que aparece o nome de Jerusalém no Antigo Testamento.

Nesse tempo, Jerusalém era habitada pelos jebuseus, um dos grupos descendentes de Amom, os amorreus, e governada por um tal Adoni-Zedeque.

Chegaram aos ouvidos desse rei as notícias sobre o que acontecera às cidades de Jericó e Ai.

Porém o que mais o impressionou, foi saber do acordo de paz selado entre israelitas e gibeonitas.

Ora, Gibeão era uma das cidades mais importantes da região, maior ainda que a desaparecida Ai.

Os gibeonitas tinham a fama de serem guerreiros muito corajosos, portanto era de se estranhar que houvessem se entregado assim a Israel, como cãezinhos dóceis lambendo a mão do dono.

Adoni-Zedeque resolveu que era melhor juntar forças e se precaver, então enviou a Hoão, Pirã, Jafia e Debir (reis de Hebrom, Jarmute, Laquis e Eglom, respectivamente) a seguinte mensagem:

– Venham me ajudar a atacar Gibeão porque o povo de lá fez um acordo de paz com Josué e com o povo de Israel.

E esses cinco reis amorreus de Jerusalém, ajuntaram-se com todos os seus exércitos e cercaram e atacaram a cidade de Gibeão.

Os gibeonitas, desesperados, mandaram uma mensagem a Josué, que havia voltado a Gilgal com todo o povo para traçarem novas estratégias de guerra.

A mensagem era mais ou menos assim:

– Não abandone a gente! Venha depressa nos ajudar e salvar! Todos os reis amorreus que moram nas montanhas se ajuntaram contra nós!

A maneira em que recorreram a seus aliados em procura de ajuda em momentos de apuro, pode ilustrar como podemos procurar ajuda em Deus quando nos vemos em perigo ao sermos perseguidos por inimigos espirituais.

Embora nos sintamos indignos da ajuda divina por nossos pecados, podemos estar seguros de que nenhuma súplica sincera ficará sem resposta.

Josué imediatamente foi consultar ao SENHOR:

– Senhor meu Deus, o que devemos fazer?

– Não fique com medo desses reis, pois eu já lhe dei a vitória. Nenhum deles será capaz de resistir.

Josué era homem de ação e a tarefa a realizar-se exigia ação imediata.

Confiante depois do apoio dado por Deus, Josué saiu de Gilgal com seus soldados, marchou acelerado a noite toda e atacou os amorreus de surpresa, antes que o inimigo tivesse tido tempo de preparar-se para a batalha.

Os israelitas chegaram de repente, fazendo muito barulho, e os amorreus se assustaram.

Saíram correndo em desordem e foram perseguidos.

E, enquanto eles fugiam dos israelitas, correndo na descida de Bete-Horom até Azeca, o SENHOR mandou uma chuva de granizo gigante que matou mais amorreus do que os israelitas conseguiriam matar.

Conservam-se registros de várias tormentas no Oriente, nos quais se afirma que se encontraram pedras de granizo que pesavam de 200 a 300 G.

Deus tem em sua reserva os “tesouros de granizo” para usá-los no dia da batalha final (Apoc. 16: 21).

A derrota dos cinco reis foi um cumprimento dessa promessa, e é um exemplo de como teria sido a conquista do Canaã se os israelitas sempre tivessem estado dispostos a proceder de acordo com os planos de Deus!

Em Cristo!


Número de visualizações do artigo: 280