Juízes 19:12-28 – A luxúria abominável dos homossexuais de Gibeá!


Juízes 19:12-28 – A luxúria abominável dos homossexuais de Gibeá!

A luxúria abominável dos homossexuais de Gibeá!Juízes 19:12-28   Então ele os levou para a sua casa e deu de comer aos jumentos.   Os seus hóspedes lavaram os pés, comeram e beberam.   

Enquanto eles conversavam alegremente, alguns homens imorais daquela cidade cercaram a casa e começaram a bater na porta.   E disseram ao velho:   – Traga para fora o homem que está na sua casa! Nós queremos ter relações com ele.     Esta história é muito parecida com a narrativa que parece repulsiva igualmente em Gênesis. 19: 8.   Aí o velho saiu e disse:   _- Não, meus amigos! Por favor, não façam essa coisa tão má e tão imoral! Este homem é meu hóspede.     Estes homens eram piores que um animal irracional.   Sua luxúria abominável e desonra foram lembrados com horror para séculos (ver Oseias 9:9, 10:9).   _ Olhem! Estão aqui a minha filha virgem e a concubina dele.   As duas quando ouviram a oferta se apavoraram…   É uma notável semelhança entre este versículo e Gênesis. 19: 8.   _ Eu vou pôr as duas para fora, e vocês poderão fazer com elas o que quiserem. Mas não façam essa coisa horrível com este homem!     A natureza da sua oferta nos enche de horror.   Ela reflete o conceito machista de que tinham sobre as mulheres na Antiguidade.   Mas os homossexuais não quiseram ouvi-lo.   Então o levita pegou a sua concubina a força , a pôs para fora e a entregou a eles.   Naturalmente a concubina tinha resistido um ato tão vergonhoso e covarde do levita.   Diante da resistência do velho e seus convidados e percebendo que não tinham outra opção, os animais irracionais forçaram, e abusaram da moça a noite inteira, e só a deixaram de manhã.   Depois que a deixaram, ao amanhecer a mulher veio se arrastando e caiu na frente da casa onde o seu marido estava.   E ficou ali até clarear o dia.     De manhã, quando o levita covarde se levantou para continuar a viagem abriu a porta e achou a sua concubina caída em frente da casa, com as mãos na soleira da porta.     Em seu último suspiro, ele havia se virado para a casa onde deveria estar seu protetor que a tinha abandonado.   As mãos da mulher estavam na soleira da porta, como se tivesse estendido a seu marido em um último grito de agonia.   _ Ei, mulher, levante-se! Vamos embora!   Porém não teve resposta, ela estava morta.   Após a experiência da noite anterior, o infeliz do levita expressou-se com uma indiferença que nos repugna…   Como se pudéssemos esperar alguma atitude nobre desse animal…   Se você está horrorizado com a atitude deste covarde até agora, espere para ver o que monstro fará na próxima postagem…   Em Cristo!

Clailton Luiz

A seguir, As tribos contra os homossexuais de Gibeá


Número de visualizações do artigo: 10