1 Samuel 15:24-35 – O falso arrependimento de Saul e uma contradição Bíblica! – parte I


- Tudo bem, eu desisto! Eu reconheço que pequei! - respondeu Saul.


O falso arrependimento de Saul e uma contradição Bíblica! – parte I

– Tudo bem, eu desisto! Eu reconheço que pequei! respondeu Saul.

– Finalmente admite!

– Desobedeci às ordens de Deus, o SENHOR, e às instruções que você deu. fiquei com medo do povo e fiz o que eles queriam.  

Mesmo quando confessa o pecado, ele joga parte da culpa sobre o povo e, então, tenta rápido demais “ir adiante” com as bênçãos de Deus, esperando escapar da disciplina divina. 

– Mas agora a gente pode continuar?

– Como?


– Samuel, eu peço que perdoe o meu pecado e volte comigo para que eu possa adorar o 


SENHOR.  

Depois que seu pecado é exposto, ele admite sua falha em executar totalmente a ordem, mas tenta santificar sua desobediência afirmando que é melhor irem adorar a Deus.

– Eu não voltarei com você! 

– Mas por quê? Já reconheci meu erro!


– Você rejeitou as ordens de Deus, o SENHOR, e por isso ele também o rejeitou como rei de Israel.  


Samuel, porém, já fazia menção de retirar-se…

Então Samuel virou-se para sair. Mas Saul o segurou pela barra da capa, e ela se rasgou.  

– OLHA AÍ A IDIOTISSE QUE VOCÊ FEZ! RASGOU MINHA CAPA!

– Desculpe…


– Escute aqui Saul… Hoje Deus rasgou das suas mãos o Reino de Israel e o deu a alguém que é melhor do que você.  


– Por favor, Samuel, não me leve a mal, eu sou um desastrado mesmo. Eu lhe peço humildemente que me respeite na frente dos líderes e do povo de Israel, pelo menos isso. 


Volte comigo, para que eu possa adorar a Javé.

Saul supõe exatamente o contrário. Suas palavras e ações nos dizem que prestar rituais religiosos por prestar é a coisa mais importante do mundo. 

Para Saul, desobedecer à ordem de Deus não é tão importante, desde que sua desobediência permita que Ele ofereça a Deus um sacrifício ritual. 

Para ele, oferecer o sacrifício é mais importante do que obedecer a Deus. 

Para Samuel, a obediência a Deus é a mais sublime de todas as formas de sacrifício (compare com Rm. 12:1-2). 

Obedecer a Deus é melhor do que todos os sacrifícios. Desobedecer a Deus, e depois oferecer sacrifícios, é inútil.

– O glorioso Deus de Israel não mente, nem muda de ideia. Ele não é um ser humano e por isso não se arrepende. Disse Samuel (v-29)

Apesar da aparente humildade, Samuel viu o brilho de ódio nos olhos de Saul, e resolveu acompanhá-lo. 

Foram, até Gilgal. 

Lá, Samuel ordenou que lhe trouxessem Agague. 

Ao ver que era chamado à presença do rei de Israel e da segunda maior autoridade do país, 

Agague achou que seria poupado. 

Mesmo assim estava tremendo de medo…

– O-olá s-senhores, estou s-sentindo que a amargura da morte já passou, não é mesmo?

– É o que você pensa, Agague. Respondeu Samuel.

– Como? Não entendi amigo?


– Assim como muitas mães ficaram sem seus filhos por sua causa, hoje é o dia se sua mão lhe perder.


– Mas, por favor… Eu lhe peço…


Agague não teve tempo de terminar…

Samuel o matou e depois despedaçou o corpo, em frente ao altar. 

O povo aplaudiu, Saul achou muito bom, só Samuel ficou descontente. 

Depois deste episódio sangrento, Samuel voltou para Ramá, enquanto Saul foi para sua casa em Gibeá. 

E nunca mais Samuel tornou a ver Saul, mas ficou com muita pena dele. 

O capítulo termina dizendo algo curioso, que parece contradizer algo que o próprio Samuel disse no versículo 29 que deixei em negrito nesta postagem…

Versículo 35: “E o SENHOR Deus se arrependeu de ter colocado Saul como rei de Israel”. 

Afinal de contas…

Deus se arrepende ou não?

Como explicar a contradição encontrada neste capítulo?

É o que veremos na próxima postagem!

Em Cristo!

Gostou deste artigo? Então por gentileza, deixe um comentário!


Número de visualizações do artigo: 246