2 samuel 5: 6-10 – Davi torna Jerusalém sua capital!


2 samuel 5: 6-10 - Davi torna Jerusalém sua capital!

Davi torna Jerusalém sua capital, depois de conquistar Jebus, uma cidade nunca conquista antes pelos israelitas. Veja neste estudo Bíblico de 2 samuel 5: 6-10.

A escolha de Jebus

Davi precisava de uma nova capital. Quando ele foi rei de Judá, Hebron serviu bem como sua capital, entretanto, agora Davi era o rei de todo o Israel. Por isso, precisava de uma capital mais ao norte.

Ou seja, ele precisava de uma capital que fosse mais centralmente localizada e que unificasse a nação. Nesse caso, Jebus era a cidade perfeita. 

Por outro lado, outras alternativas como Gibeá, capital de Saul, estava muito ligada ao nome do antigo rei. Maanaim, na Transjordânia, de onde reinou o fracassado Isbosete, fora uma escolha baseada mais na distância segura que havia entre a cidade e os filisteus do que por alguma estratégia. Por isso, não havia outra opção melhor.

Com isso, vitória de Israel sobre os jebuseus uniria a nação. Portanto, a posse de Jebus como a nova capital de Davi seria fundamental.

Esta cidade estava praticamente na fronteira de Judá e Benjamim. Apesar disso, era uma cidade que nem os filhos de Judá nem os filhos de Benjamim conseguiram capturar. Assim, tomar esta cidade elevaria a moral do novo rei.  

Além de tudo isso, o cenário natural em que a cidade ficava, dificultava a derrota. Pois ela situava-se numa região montanhosa, no topo de mais de uma montanha e com vales ao seu redor.

Quem eram os Jebuseus

Jebus, era uma cidade fortificada, tinha um trecho murado no alto de um monte, o que a tornava uma segura morada para qualquer rei. Mas tinha um problema para Davi ao escolhê-la, estava ocupada por um povo estrangeiro, os jebuseus.

Por isso, o nome dessa cidade era Jebus, mais tarde, se tornaria Jerusalém, cujo nome hebraico, Ir-shalom, significa cidade de paz. Expulsá-los então, seria uma amostra de sua liderança como um rei.

Os jebuseus foram nomeados pela primeira vez em Gênesis 10; 15-16 , onde nos dizem que eles são verdadeiramente cananeus, os descendentes de Canaã, o terceiro filho de Cão ( Gênesis 10: 6 ).

Foi este Canaã que viu a nudez de Noé (Gênesis 9:22), e que foi amaldiçoado pelo avô e a seus descendentes (Gênesis 9:25).

Foi também no Monte Moriah que Abraão ofereceu seu filho, Isaque. Portanto, este Monte Moriah é a mesma montanha em que Salomão construiu o templo (2 Crônicas 3: 1).  

Quando os espiões foram enviados para a terra prometida para examiná-la, entre aqueles habitantes da terra os espiões chamados jebuseus (Números 13:29).  

No livro de Josué, Jebus foi descrito pela primeira vez como uma das cidades pertencentes aos filhos de Judá, que não foram capazes de expulsá-los (Josué 15:63).

Em Josué 18:28, Jebus parece ser uma cidade benjamita e os benjamitas também não são capazes de expulsar os jebuseus (Juízes 1:21). Isso leva a uma espécie de coexistência, que resulta nos israelitas abraçando os pecados dos jebuseus (Juízes 3: 1-7). O resultado disso foi a opressão de seus vizinhos como um castigo divino.

Em Juízes 19: 10-12 , a cidade de Jebus ainda é retratada como não israelita. Pode ter havido momentos em que Jebus estava sob controle israelita (cf. 1 Samuel 17:54), mas a vitória estava longe de ser completa. Não é até os dias de Davi (e nosso texto – ver também 1 Crônicas 21:15 ) que Jebus cai para os israelitas de uma vez por todas.

Há ainda mais a dizer sobre esta cidade de Jebus, mas esperaremos até o capítulo 6 para fazer isso.  

Por que Davi atacou os jebuseus?

Eu acredito que a tomada de Jebus nos versículos 6-10 deve ser entendida em comparação com os versículos 17-25, onde Davi derrota duas vezes os filisteus.

Não é difícil entender porque Davi lutou contra os filisteus neste capítulo, ou seja, era uma questão de autodefesa. Os filisteus atacaram os israelitas e especificamente a Davi.  

Por isso, quando os filisteus se levantaram contra Davi, havia pouca escolha a não ser combatê-los. Mas os jebuseus não estavam em guerra com os israelitas. Eles haviam chegado a alguma forma de coexistência. Não havia “necessidade” aparente dessa luta.

No entanto, por que então, Davi liderou todo o Israel contra esta cidade, uma cidade que os israelitas nunca haviam sido capazes de derrotar completamente antes?  

Eu acredito que existem várias razões. Antes de mais nada, era uma cidade que Deus prometera dar aos israelitas e um povo que Ele ordenara que os israelitas destruíssem.

A presença deles entre os israelitas estava corrompendo o povo de Deus (Juízes 3: 5-6).

Saul relutou em lidar decisivamente com ataques dos inimigos de Israel de fora. Ele estava disposto a viver com o inimigo que habitava em Israel. Os jebuseus foram deixados em paz, até onde sabemos. 

Davi reconheceu que nenhum reino poderia ser visto com medo (ou mesmo com respeito) se não fosse capaz de expulsar seus inimigos do meio.

O ataque aos jebuseus

Os jebuseus tinham que ser enfrentados e Davi sabia disso. Era hora desses inimigos de Deus serem derrotados. A derrota dos jebuseus e a tomada de Jebus seria o primeiro passo na conquista de Israel por seus inimigos. Porém, uma conquista que foi parcial nos tempos de Josué e dos juízes.

Por isso, Davi tratou logo de juntar seus homens e partir para a fronteira entre Benjamim e Judá. Lá eles sitiaram a cidade, e ameaçaram os jebuseus.   

Mas os jebuseus, pensaram que ele não seria capaz de conquistá-la e por isso disseram:

— Você nunca entrará aqui. Não vamos nem perder tempo com você: só os cegos e os aleijados aqui de Jebus já bastam pra botar vocês pra correr de volta para Hebrom.

Todavia, quando o povo de Jebus viu Davi e os soldados israelitas vindo contra sua cidade, não era algo novo ou assustador para eles.

Em sua história, esses ataques ocorreram com alguma frequência, mas nunca com sucesso. E assim, em segurança atrás dos muros da cidade, os jebuseus zombaram de Davi e de seus homens.  

Era algo como um valentão arrogante ameaçando: “Eu posso chicotear você com um braço amarrado nas minhas costas.” Eles foram intimidados pelo exército de Davi? De modo nenhum! E assim eles zombavam deles, gabando-se de que estavam tão seguros que podiam entregar sua defesa àqueles que eram cegos e coxos.  

Diante da petulância dos jebuseus, Davi combinou o ataque com seus comandantes. Invadiram a cidade com força e logo a tomaram, para espanto dos jebuseus.

O rei e seus homens entraram em Sião, a famosa fortaleza no alto da montanha, que passou a se chamar Cidade de Davi.

Davi torna Jerusalém definitivamente sua capital

Contudo, após a vitória, Davi não se esquecera da provocação feita pelos jebuseus e disse a seus homens:

— Eu odeio esses jebuseus! Não falaram que para nos derrotar bastariam os cegos e os aleijados? Então onde eles estarão? Subam pelo canal de água que entra na cidade e os procurem lá.

Os soldados israelitas assim fizeram, terminando a tomada fulminante de Jerusalém. É por isso que se criou um ditado famoso que diz: “Os cegos e os aleijados não podem entrar na casa de Deus.”  

Esse ditado parece ser um pretexto para aqueles que não têm compaixão dos deficientes e que aproveitam um tragédia pessoal para justificar sua falta de misericórdia. 

Eu acredito que essas palavras foram gravadas muito à luz de 2 Samuel 4: 4 e 9: 1-13. Os israelitas realmente proibiriam os deficientes de estarem em casa?

No entanto, esse pensamento está errado, pois sabemos que Davi procurarou Mefibosete, que era deficiente, para lhe mostrar amor pelo bem de Jônatas, fazendo-o comer na sua própria mesa.  

Nesse ínterim, Davi ficou morando na fortaleza e a chamou de Cidade de Davi. Em volta ele construiu defesas que iam desde o aterro que ficava no lado leste da cidade até o palácio.

E assim, Davi, reinando em Jerusalém sua nova capital, ia ficando cada vez mais forte porque o Senhor, o Deus Todo-Poderoso, estava com ele.

Em Cristo!


Número de visualizações do artigo: 41