2 Samuel 12:1-4 – Davi e a parábola do profeta Natã!


2 Samuel 12:1-4 - Davi e a parábola do profeta Natã!

Davi ouve a parábola do profeta Natã e fica revoltado com a injustiça apresentada na história contada pelo profeta. Qual será a sentença que Davi dará ao milionário cretino e injusto da parábola?

Uma novela de conhecimento público

V:1 A bíblia não declara que Deus revelou a Natã qualquer uma das atividades do rei pecador, algo, é claro, que Deus poderia ter feito.

Entretanto, parece ser muito mais provável que a novela com os pecados de Davi, a essa altura, já fossem de conhecimento público em Jerusalém. 

É difícil de acreditar que todos os “servos” que fizeram a denúncia a Davi a respeito da identidade daquela mulher nua, os mesmos que foram até ela com o convite do rei, que a escoltaram até a presença do rei, que a levaram para casa depois e mais tarde transmitiram sua mensagem, revelando a Davi o fato de sua gravidez, teriam mantido segredo de tantos fatos e detalhes da novela macabra.

Mas essa novela não era de conhecimento apenas dessas poucas pessoas. A essa altura, haviam mais pessoas sabendo sobre a trágico teatro de horrores envolvendo Davi, Bate-seba e Urias.

O que Davi fez, onde Urias dormiu, o presente enviado a ele pelo rei, a extensão de sua licença do exército, o banquete no palácio do rei, a insistência do rei em que Urias bebesse, onde dormiria na noite seguinte, o retorno para a batalha e sua morte prematura. 

A fofoca chega aos conhecimento de Natã

Simplesmente havia muito enredo para que fosse mantido em segredo. Por exemplo, um jantar de estado no palácio para Urias, envolveria dezenas de servos e retentores do rei. Portanto, acreditar que nenhum deles foi capaz de descobrir o que estava acontecendo e depois falar sobre isso entre eles, é imaginar o impossível. 

Davi poderia sentir que efetivamente encobrira seus atos vergonhosos; mas particularmente, eu acredito que Davi estava profundamente errado em tal pretensão. 

O conhecimento perfeito de Natã sobre tudo o que havia acontecido provavelmente começou quando ouviu algumas das fofocas que se espalharam por Jerusalém. 

A fofoca nunca é precisa nem confiável e quando Deus enviou Natã a Davi, o Senhor sem dúvida concedeu a seu profeta um conhecimento verdadeiro de tudo o que aconteceu.

Davi não ouviu a convicção do Espírito Santo

V: 2-4. Ao enviar Urias para para morrer numa armadilha e assim casar-se com a viúva, Davi excedeu todos os limites. 

O pecado de Davi desagradou ao SENHOR, mas como Davi não ouviu a convicção do Espírito Santo ou sua consciência, Deus enviou outra pessoa para falar com ele. Deus misericordiosamente continuou falando com Davi, mesmo não sendo levado a sério algumas vezes.

No entanto, ninguém deve presumir que Deus falará para sempre com o pecador impenitente. Deus disse em Gênesis 6:3: “Meu Espírito não lutará com o homem para sempre “. 

Quando ouvimos ou sentimos a convicção do Espírito Santo, devemos responder imediatamente, porque nem sempre Deus fará isso.

Natã decide contar uma parábola para Davi

Com sabedoria e coragem, Natã usou uma parábola para passar a mensagem a Davi. 

Esta é uma das raras parábolas do A.T. Uma parábola é diferente de uma fábula, pois relaciona coisas que realmente aconteceram ou que poderiam ter acontecido razoavelmente. 

Pois bem, Natã veio a Davi como se seu objetivo fosse pedir sua decisão judicial sobre um caso que lhe fora submetido.

Davi não podia suspeitar da verdadeira missão do profeta, porque todas as suas comunicações anteriores de Deus através de Natã haviam sido extremamente favoráveis ao rei (como em 2 Samuel 7)

Muitos já comentaram sobre a atratividade e a beleza dessa pequena parábola. Ela foi habilmente projetada para despertar a simpatia do ouvinte pelo pobre homem injuriado, bem como o desprezo raivoso pelo rico que o roubou.

Natã era amigo de Davi

Davi sabia que Natã não era um crítico negativo, mas um amigo. Isso fez Davi estar mais receptivo à mensagem da história.

Natã além de um profeta, era também amigo de Davi. Há muitas razões para imaginar essa intimidade. Por exemplo, um dos filhos de Davi se chamava Natã (2 Samuel 5:14). Mais a frente, no capítulo 7, vimos que Davi informou a Natã sobre seu desejo de construir um templo.

Em (2 samuel 12:25), Natã será convidado para ser tutor de Salomão e dará a ele o nome de Jedidiah, que significa “amado por Deus”. E ele permanecerá leal ao rei e a Salomão quando Adonias tentar usurpar o trono (1 Reis 2).

Enfim, Natã não vem a Davi apenas como porta-voz de Deus, ele vem a Davi como amigo.

Portanto, como diz (Provérbios 27:6): “Fiéis são as feridas de um amigo, mas enganosos são os beijos de um inimigo”.

A parábola de Natã para Davi

Natã inicia a conversa contando uma parábola que mais parecia uma pegadinha: 

– Olá Natã, que bons ventos o trazem aqui?

– Venho trazer um caso para que o rei julgar.

– Ok. Pode apresentar o caso então.

– Dois homens moram na mesma cidade. Um dos homens é muito pobre, o outro, milionário. O rico tem muitos bois, jumentos, ovelhas, camelos. O pobre, tem só uma ovelha. Era muito apegado ao animal: a ovelha comia de sua comida, bebia em seu copo, dormia em seu colo era como uma filha.

Era comum naqueles dias manter um cordeiro como animal de estimação, e Natã usou essa história comum do cordeiro para falar com Davi.

– O negócio é que o milionário recebeu a visita de um amigo tão rico e importante quanto ele. E sabe o que ele fez?

– O quê? O quê?

– Com tantos animais à disposição em sua propriedade, resolveu, por puro capricho, matar a ovelha do vizinho pobre para servir ao visitante.

A revolta de Davi com a injustiça na parábola

Essa história era muito familiar para Davi. Ele foi um pastor em sua juventude, como sabemos nos livros de Samuel (1 Samuel 16:11; 17:15, 28 ).

Eu me pergunto se, naqueles dias e noites solitárias nos pastos, Davi não tinha um “cordeiro de estimação” entre suas ovelhas? E será que essa ovelha de estimação, provavelmente não comeu da sua comida e bebeu do seu copo? Possivelmente sim.

– COMO É QUE É??? O cara tinha gado à vontade, mas preferiu matar o animal de estimação do outro, que não tinha mais nada na vida?

Davi havia cometido um pecado muito pior do que o do homem rico na parábola; mas, como Willis disse, “é muito mais fácil ver o pecado nos outros do que em si mesmo”.

O pecado que Natã descreve é roubo. Há um sentido em dizer que Davi roubou algo de Urias. A Bíblia (em 1 Coríntios 7:3-5) diz que no casamento o marido tem autoridade sobre o corpo de sua esposa e a esposa sobre o corpo do marido.

Obviamente, Davi não tinha essa autoridade sobre o corpo de Bate-Seba, portanto, roubou de Urias. Adultério e imoralidade sexual são na realidade furtos. Levando algo de que não nos pertence.

Esse princípio também é verdadeiro em relação à pornografia e à luxúria. Levítico 18 descreve o pecado de descobrir a nudez daqueles que não são nosso cônjuge. A idéia é que a nudez dos outros não nos pertence, e é roubo se a aceitarmos.

Qual será a sentença que Davi dará ao milionário cretino? Assunto para a próxima postagem!

Em Cristo!


Número de visualizações do artigo: 191